Saltar para conteudo

Sinopse

DDD 2024 no TMP

Amanda Piña

Exotica

Maio

2024

estreia nacional

Sáb
4
Dom
5

Sinopse

No início do século XX, os artistas La Sarabia, Nyota Inyoka, François Benga e Leila Bederkhan apresentaram as suas danças na Europa com grande sucesso. Amanda Piña dá nova vida aos seus trabalhos com Exotica, identificando o legado de artistas racializados a atuar nos palcos europeus e aquilo a que se refere como “a brown history da dança europeia”. Exotica é um ritual exuberante concebido como uma sessão espírita através da qual os bailarinos, enquanto antepassados, pessoas queer e mulheres negras do passado e do presente, ressurgem em palco e entram em diálogo com o olhar e a ancestralidade do público. A sua presença performativa abre espaço para reconstituições, desencadeando invocações, exorcismos e celebração. — Amanda Piña

diálogo

ancestralidade

temporalidades

queer

legado

© DR

© DR

© DR

© DR

Info sobre horário e bilhetes

Sáb

4.05

21:30

Dom

5.05

19:30

Campo AlegreAuditório

bilhetes

Informação adicional

  • Preço 
    12€
  • Duração 
    1h50
  • Classificação etária 
    6+
  • Informação adicional 
    Texto em inglês com legendas em português

Acessibilidades do espetáculo

Acessível a pessoas em cadeira de rodas
Texto
Legendagem

Texto biografia autores

Amanda Piña é uma artista chilena, mexicana e austríaca que vive entre Viena e a Cidade do México. Com ascendência mista, tem raízes espanholas, mapuches e libanesas (sírio-palestinianas). O seu trabalha representa o poder político e social do movimento, assente em formas de conhecimento e práticas de criação e preservação do mundo indígenas. Piña é uma artista multifacetada que leva a cabo trabalho de pesquisa coreográfica e de dança, criando, curando e trabalhando no âmbito universitário e de educação artística, escrevendo e editando publicações em torno daquilo a que se refere como “práticas de movimento humano em vias de extinção”.

Ficha técnica

  • Direção artística
    Amanda Piña

    Criação e interpretação
    Ángela Muñoz Martínez, André Bared Kabangu Bakambay, Venuri Perera, iSaAc Espinoza Hidrobo, Amanda Piña

    Dramaturgia
    Nicole Haitzinger

    Design
    Michel Jimenez

    Cenário e cenografia
    Forêt asiatique (1921), de Albert Dubosq, reproduzida por Decoratelier Jozef Wouters como parte da contribuição de Amanda Piña para Infini #18 (2022)

    Direção técnica
    Santiago Doljanin

    Música
    Ángela Muñoz Martínez, Zevra

    Letras
    Amanda Piña

    Canto
    Venuri Perera, Angela Muñoz Martínez, André Bared Kabangu Bakambay, iSaAc Espinoza Hidrobo, Amanda Piña

    Música ao vivo
    Ángela Muñoz e intérpretes

  • Desenho de som
    Dominik Traun

    Figurinos
    Federico Protto

    Assistente de direção
    Pierre-Louis Kerbart

    Registo vídeo
    CIRCA

    Produção
    Amanda Piña/ Studio Fortuna

    Coprodução
    Kunstenfestivaldesarts, Holland Festival, Festival d’Automne à Paris, Tanzquartier Wien, PACT Zollverein, DDD – Festival Dias da Dança, La Bâtie-Festival de Genève, NEXT Festival

    Apoio
    deSingel, Kunstenwerkplaats, wpZimmer

    Agradecimentos
    Stadsschouwburg Kortrijk, Showtex, oficinas NTGent, Bruno Forment, projeto Border Dancing Across Time P-31958 (financiado pelo FWF – Fundo Austríaco para a Ciência), Christina Gillinger-Correa Vivar (pesquisa de arquivo), Rolando Vázquez (teoria decolonial/entrevista)

    Financiamento
    Direção Municipal de Cultura de Viena, Departamento Artístico e Cultural da Chancelaria Federal da Áustria  

Subscrevam a nossa newsletter e recebam todas as novidades sobre o TMP.

close