Anarquivo

A Love Supreme

Ter 20 Novembro 2018

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.
Por Raquel S.

ACKNOWLEDGMENT
John Coltrane. 1957. Depois de drogas, depois de alcool, depois de ser despedido da banda do Miles Davis, o músico experimenta o que chama de “despertar espiritual”. Data desconhecida. Fecha-se no quarto vários dias. Compõe, escreve. A Love Supreme. Dezembro de 1964. Num estúdio, com as luzes baixas, junta-se a McCoy Tyner, ao piano, Jimmy Garrison, no contrabaixo e Elvin Jones na bateria. No saxofone tenor, John Coltrane. Gravam os 33 minutos de A Love Supreme.
Divide-se em quatro movimentos. No fim do primeiro, “Acknowledgement”, ouvimos a voz de Coltrane: A love supreme, A love supreme, A love supreme, A love supreme. Dezanove vezes.
A sua música passará a estar irremediavelmente ligada à sua devoção a Deus.


RESOLUTION
2005. Anna Teresa de Keersmaeker e Salva Sanchis coreografam o espectáculo que se chama A Love Supreme, e que parte da obra-prima de Coltrane. Pela primeira vez, há improvisação no trabalho de Keersmaeker. Pela primeira vez, colabora com outro coreógrafo. Quatro Intérpretes. Dois homens e duas mulheres. Vestem de branco, num cenário branco, e dançam ao som da música gravada.


1964. Gravam também uma versão do primeiro movimento sem a voz de Coltrane. 1965. O álbum é lançado e ouvimos Coltrane cantar.


PURSUANCE
Perseguir uma melodia, um conjunto pequeno de notas repetidas e retocadas obsessivamente, espanta os ouvidos. 9 de Agosto de 1965. Ian Breach, crítico do The Guardian, acha que o álbum é um “exercício de monotonia”. “Há boas ideias para ser ouvidas que flutuam livremente, mas só as mais pobres são perseguidas para além dos limites do razoável”.

2017. A Love Supreme, Anna Teresa de Keersmaeker e Salva Sanchis. Refazem, reescrevem, transformam a primeira peça. Agora, com quatro jovens bailarinos, todos homens, todos foram alunos da escola que Keersmaeker fundou e onde Sanchis também tinha estudado. Vestem de preto no palco despido. Se não atentar-mos no linóleo, poderemos até achar que não há cenário.
O espectáculo começa agora com movimentos em silêncio, como se nos preparasse para o que vamos ouvir, como se precisássemos de um momento em que só vemos a coreografia e só ouvimos o corpo dos bailarinos. Quatro bailarinos jovens dançam. Quando a música começa, percebemos que a cada um é atribuído um dos instrumentos da música. Composição e improvisação conjugam-se conforme a liberdade dos instrumentos na música: o saxofone pode improvisar mais do que o contrabaixo, por exemplo.
As regras da música são as regras da dança.


PSALM
Salva Sanchis: ”Quando estás preso a uma regra tão rígida tens de encontrar soluções para tornar a tua coreografia mais interessante, para ter contraste e diferença, porque não podes interpretar livremente com aquela quantidade de pessoas em palco.” Como os instrumentistas, os bailarinos ouvem. Cada um se relaciona com um instrumento e, de acordo com ele, improvisa mais ou menos. Como os músicos, dançam segundo a sua qualidade de movimento, mas sempre num grupo: têm de ouvir-se uns aos outros, de estar juntos, e só no conjunto dos quatro está o sentido da peça.

Keersmaeker diz que, no seu encontro com Coltrane, “descobriu o virtuosismo brilhante, a obsessão extrema, [...] a descoberta do saxofone como uma voz”. Talvez por isso os bailarinos sejam agora corpo daqueles instrumentos, como se pudéssemos ver de que forma a música se espalha no espaço, como se acedêssemos à música também através de um outro sentido: a visão.

Coltrane, através da música, procurava chegar a Deus. Como num salmo, um poema que se canta e que se dedica, mas que aqui se diz através do saxofone. Coltrane escreveu um poema, mas não é pelas palavras que o ouvimos.
No poema escrito pelo músico, “todos os caminhos levam a Deus”.
Nesta versão dançada, onde é que os caminhos nos levam?



citações
https://www.theguardian.com/music/2017/aug/09/john-coltrane-love-supreme-review-1965
https://www.nytimes.com/2017/09/26/arts/dance/anne-teresa-de-keersmaeker-a-love-supreme.html
https://fdleone.com/2015/12/20/a-love-supreme-john-coltranes-statement-of-faith/



Fotografia © Anne Van Aerschot
Anarquivo  -
PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP

Qui 6 Dezembro 2018

PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP


O Teatro Municipal do Porto lança, mais uma vez, o PRESENTE!, um voucher que permite a todos os interessados adquirir e oferecer um produto diferenciador nesta época festiva. 

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor

Sáb 24 Novembro 2018

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor


Esta é uma história de amor “musical”:
Conheceram-se a 1 de dezembro de 2017, aquando do concerto dos britânicos Tomaga no Subpalco do Rivoli e agora, 364 dias depois – a 30 de novembro -, João Pais Filipe e Valentina Magaletti apresentam um disco a quatro mãos, "Golden Path", no mesmo local onde se conheceram.

1, 2, 3...

Sex 23 Novembro 2018

1, 2, 3...

3 Perguntas a Julieta Guimarães

Mostra Estufa

1, 2, 3...

Qui 22 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Gesta

Quintas de Leitura

Anarquivo

Qua 21 Novembro 2018

Anarquivo

Revoluções: a dança múltipla dos corpos

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Ter 20 Novembro 2018

Anarquivo

A Love Supreme

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Seg 19 Novembro 2018

Anarquivo

Romances inciertos: dançar a própria incerteza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli

Seg 12 Novembro 2018

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli


Num concerto do ciclo Understage, desta vez em coprodução com a Amplificasom, HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum: “Beheaded Totem”, dia 16 de novembro, às 23h00 no Subpalco do Teatro Rivoli. 

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre

Qua 7 Novembro 2018

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre


Entre os dias 7 e 17 de novembro, o Teatro Experimental do Porto (TEP) apresenta, na íntegra, a “Trilogia da juventude” no Teatro Campo Alegre.

1, 2, 3...

Dom 4 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Martim Pedroso

Nova Companhia

Né Barros

Qui 25 Outubro 2018

Né Barros

Entrevista

sobre "Revoluções"

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa

Ter 23 Outubro 2018

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa


Nos dias 26 e 27 de outubro, sexta-feira e sábado, o coreógrafo e bailarino, François Chaignaud, e o artista visual, Nino Laisné, apresentam em estreia nacional o espetáculo “Romances inciertos — un autre Orlando”, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa

Anarquivo

Sex 12 Outubro 2018

Anarquivo

Alguma coisa ruiu
Sobre Late Night

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qui 11 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Cláudia Dias

FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto 2018

Anarquivo

Qui 11 Outubro 2018

Anarquivo

The Waves: Sob o desenrolar contínuo do gesto

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qua 3 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Ferreira

Queer Porto

1, 2, 3...

Qui 27 Setembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a André e. Teodósio

Teatro Praga

Renata Portas

Seg 10 Setembro 2018

Renata Portas

Entrevista

sobre "Estava em casa à espera que a chuva viesse"

História(s)

Qui 6 Setembro 2018

História(s)

1ª Parte — Tiago Guedes

A temporada 2018/2019 do Teatro Municipal do Porto — Rivoli e Campo Alegre será apresentada em dois tempos e em duas agendas de programação.

Artistas Associados

Sáb 1 Setembro 2018

Artistas Associados

Temporadas 17/18 & 18/19

O coreógrafo Marco da Silva Ferreira e o encenador Jorge Andrade (mala voadora) são os primeiros artistas associados do Teatro Municipal do Porto.