Anarquivo

Romances inciertos: dançar a própria incerteza

Seg 19 Novembro 2018

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.
Por Rossana Mendes Fonseca

Entramos no salão árabe do Palácio da Bolsa e deparamo-nos com o palco de Romances inciertos: un autre Orlando de Nino Laisné e François Chaignaud. Quatro painéis com motivos de paisagens naturais delimitam o palco, ao lado dos quais se posicionam quatro músicos vestidos de preto, cada um com os seus instrumentos que, pela sua proveniência, evocam tradições distintas da música e da história. Assim, sob luz baixa, percussão, cordas e bandoneon iniciam o primeiro acto dos romances incertos.
Ouvimos um tango e vemos entrar um corpo vestido de trajes masculinos de tons neutros e pés nus; o chapéu volumoso, de soldado, esconde parcialmente um rosto que começa a recitar com voz aguda a história da Donzela Guerreira. Através de movimentos circulares sobre si — piruetas e rodopios que nos fazem presente a tradição do ballet —, conta-nos o drama de uma donzela que, na sua predisposição guerreira, recusa um casamento real, preferindo votar-se a uma errância solitária ou mesmo à morte. E, nesse movimento de errância, de vaivém, avança e recua ora decidida, ora perdida, desafiando-nos, de longe, a percorrer a história singela de uma donzela travestida para poder ocupar um lugar que lhe é vedado pelo corpo que é. A Donzela Guerreira termina a sua história acompanhada apenas do som de cordas, ouvindo-se uma voz grave, masculina, que ecoa até ao eclipse da luz.
Na penumbra, o quarteto recomeça: estamos agora no segundo acto. Após mais um interlúdio musical, os painéis erguem-se revelando, em dois deles, figuras de animais a atravessar um rio. Vemos aparecer uma segunda personagem, na luz alta, rodopiante, vestida de cores quentes. Move-se, balançando-se em andas e envergando um xaile sumptuoso, elementos que lhe dão um aspecto majestoso e altivo. Trata-se do arcanjo S. Miguel, cujas pernas de madeira o aproximam do céu e conferem à dança, ao rodopiar, uma qualidade outra, de movimentos como que discretos e rectilíneos, aos quais resiste uma expressão fluída, ondulante e contínua da dança, sobretudo, dos membros superiores. Deixando atrás de si o xaile, e por entre movimentos enérgicos, o arcanjo vai procurando os outros intérpretes em palco e, de costas para nós, mostra-lhes o que esconde por baixo da sua saia rodada. Cambaleante, como que à procura de equilíbrio, uma voz grave invoca S. Miguel, o arcanjo domesticado, magnificente, que guarda um desejo transbordante debaixo dos seus hábitos. S. Miguel oscila por entre uma voz agora aguda até ser tomado em braços por dois dos músicos, que o amparam através de uma marcha quase estática, vacilante, mas insistente. A música pára e, em silêncio, os dois homens de negro são ajudados pelos outros dois músicos que se lhes juntam e removem as andas a S. Miguel, que descendo ao solo, procura, uma outra vez, o equilíbrio agora dos pés em pontas, sobre os quais se move, balançando-se, dançando dramaticamente o seu rosário até desaparecer na escuridão. Os músicos permanecem em palco e a música continua, entrecortada de notas dispersas daquilo que parecem ser pequenos sinos, como se se tratasse de uma antecipação do terceiro acto. 
O terceiro acto inicia-se com o canto da história de Tarara, a cigana andaluza, sedutora e errante. Vemos o movimento ascendente dos quatro painéis que, desta vez, descobre animais que figuram em representações pictóricas do Jardim do Éden. Tarara emerge na escuridão por entre o público. Começamos a distinguir a sua silhueta marcada e os seus movimentos lentos de aproximação. Irrompe entre nós, tacteante. Leva-nos a uma proximidade liminar dos seus gestos e do seu corpo vibrante. Distinguimos uma flor vermelha nos cabelos negros apanhados e o movimento das franjas de um pequeno xaile. Já no palco, mostra-se-nos à luz. Canta e dança, com a sua longa saia, o caminho até Roma, desequilibrando-se nos seus sapatos de agulha. Girando continuamente sobre si mesma, despoja-se dos seus trajes de cigana. Estacando, ergue-se e atravessa o palco em piruetas, que intercala com o bater dos pés no chão e o serpentear dos braços no ar, como se nos dançasse flamenco. Experimenta esse batimento até à ponta dos seus sapatos, que a elevam. Incorpora a sua energia, a sua força. Fixa os sapatos, esses elementos nos quais o seu corpo se alonga. Toca-lhes, como se com eles pensasse este contra-balançar, o difícil caminhar de uma procura interior inquieta, o próprio devir que lhe emprestam. Rodando a toda a velocidade, desequilibra-se uma e outra vez, até ficar quase sem fôlego. Finalmente, caminha para nós, como que procurando a proximidade anterior de um corpo sensível. A luz cai.
Romances inciertos: un autre Orlando é uma viagem singular através da história e da tradição espanholas, sobretudo dos séculos XVI, XVII e XVIII, e, ao mesmo tempo, o ensaio da sua radical contemporaneidade. As diversas passagens entre estilos musicais e coreográficos — o ballet, o cabaret, o tango, danças tradicionais espanholas e de corte — enriquecem cada narrativa com uma multiplicidade de vozes e gestos que nos falam do tempo, ao atravessarem estados identitários de impermanência. As encarnações deste outro Orlando que, a cada acto — tal como a personagem de Virginia Woolf a cada sono —, acorda outro, constituem arquétipos cujo próprio corpo é o lugar de problematização do devir constante entre géneros, formas de poder e discursos de saber, que Laisné, por sua vez, trouxe de viagens por arquivos e bibliotecas — salientando-se o universo místico de Garcia Lorca — mas também por localidades pequenas de Espanha, onde encontrou formas mestiças de expressão menor.
Encontramos, em Romances inciertos, um limiar de transgressão das formas usadas da música e da dança, que a cada metamorfose, nos mostra a vertigem constante do deslocamento do centro de gravidade do corpo, bem como a sua inexorável procura de um lugar no mundo. Un autre Orlando torna-se dança da incerteza, a dança de se fazer corpo como matéria de inelutável procura da própria vida em constante mutação.


Fotografia © José Caldeira / TMP
Anarquivo  -
PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP

Qui 6 Dezembro 2018

PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP


O Teatro Municipal do Porto lança, mais uma vez, o PRESENTE!, um voucher que permite a todos os interessados adquirir e oferecer um produto diferenciador nesta época festiva. 

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor

Sáb 24 Novembro 2018

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor


Esta é uma história de amor “musical”:
Conheceram-se a 1 de dezembro de 2017, aquando do concerto dos britânicos Tomaga no Subpalco do Rivoli e agora, 364 dias depois – a 30 de novembro -, João Pais Filipe e Valentina Magaletti apresentam um disco a quatro mãos, "Golden Path", no mesmo local onde se conheceram.

1, 2, 3...

Sex 23 Novembro 2018

1, 2, 3...

3 Perguntas a Julieta Guimarães

Mostra Estufa

1, 2, 3...

Qui 22 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Gesta

Quintas de Leitura

Anarquivo

Qua 21 Novembro 2018

Anarquivo

Revoluções: a dança múltipla dos corpos

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Ter 20 Novembro 2018

Anarquivo

A Love Supreme

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Seg 19 Novembro 2018

Anarquivo

Romances inciertos: dançar a própria incerteza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli

Seg 12 Novembro 2018

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli


Num concerto do ciclo Understage, desta vez em coprodução com a Amplificasom, HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum: “Beheaded Totem”, dia 16 de novembro, às 23h00 no Subpalco do Teatro Rivoli. 

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre

Qua 7 Novembro 2018

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre


Entre os dias 7 e 17 de novembro, o Teatro Experimental do Porto (TEP) apresenta, na íntegra, a “Trilogia da juventude” no Teatro Campo Alegre.

1, 2, 3...

Dom 4 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Martim Pedroso

Nova Companhia

Né Barros

Qui 25 Outubro 2018

Né Barros

Entrevista

sobre "Revoluções"

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa

Ter 23 Outubro 2018

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa


Nos dias 26 e 27 de outubro, sexta-feira e sábado, o coreógrafo e bailarino, François Chaignaud, e o artista visual, Nino Laisné, apresentam em estreia nacional o espetáculo “Romances inciertos — un autre Orlando”, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa

Anarquivo

Sex 12 Outubro 2018

Anarquivo

Alguma coisa ruiu
Sobre Late Night

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qui 11 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Cláudia Dias

FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto 2018

Anarquivo

Qui 11 Outubro 2018

Anarquivo

The Waves: Sob o desenrolar contínuo do gesto

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qua 3 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Ferreira

Queer Porto

1, 2, 3...

Qui 27 Setembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a André e. Teodósio

Teatro Praga

Renata Portas

Seg 10 Setembro 2018

Renata Portas

Entrevista

sobre "Estava em casa à espera que a chuva viesse"

História(s)

Qui 6 Setembro 2018

História(s)

1ª Parte — Tiago Guedes

A temporada 2018/2019 do Teatro Municipal do Porto — Rivoli e Campo Alegre será apresentada em dois tempos e em duas agendas de programação.

Artistas Associados

Sáb 1 Setembro 2018

Artistas Associados

Temporadas 17/18 & 18/19

O coreógrafo Marco da Silva Ferreira e o encenador Jorge Andrade (mala voadora) são os primeiros artistas associados do Teatro Municipal do Porto.