Anarquivo

Alguma coisa ruiu
Sobre Late Night

Sex 12 Outubro 2018

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.
Por Raquel S.

Alguma coisa ruiu, não se sabe bem o quê. Foi uma ideia? Um edifício?
Que coisas foram este pó aí, esta forma sensível do tempo passado? Como é que se chega a este tempo, a este agora, cortado por outros tempos, mais ou menos perfurado, ou talvez não isso. Talvez este agora seja um entre vários agoras que acontecem lado a lado: a cada um corresponde um passado –passado um, dois, três, quatro – ou uma ruína – ruína um, ruína dois, ruína três – ou um futuro possível que, mal se concebe, se esfuma e desaparece. Como num truque de magia.

      – ruína 1 –
Acho que me lembro de que o Severino Boécio, para defender o livre arbítrio e a omnipotência de Deus, dizia que Deus percebe tudo num eterno presente: tudo lhe chega ao mesmo tempo. A temporalidade de deus não é sucessiva.

Agora há seis melancólicos, parecem os últimos, a dançar nesta pista. Deus já foi há muito tempo. O anjo da História, projetado para trás na direção do futuro enquanto via como se acumulavam ruínas atrás de ruínas, séculos atrás de séculos, bateu contra o futuro com estrondo e morreu. Aqui dança-se.

      – ruína 2 –
Numa danceteria, num Domingo, uma senhora dança. Ouve-se a música Ciao Ciao Bye Bye. Ela fica fraca, nervosa, desmaia. Rui. Tiram-na da pista. Perguntamos se está tudo bem e dizem que sim-sim, que ela desmaia sempre nesta música. E a música continua.

Os melancólicos podem sempre chutar para o lado os escombros, afastá-los com os pezinhos calçados com tacões pequeninos, tirar senhoras da pista, sacudir o pó de um casaco.
O que fazer com o tempo que já passou? Lembrá-lo?
O que fazer dos futuros abortados?

      – ruína 64 –
Paris a colapsar, a ruir, bombas. Memórias de guerra e de passar fome.

Seis melancólicos – serão os últimos? – dançam à volta do trauma. Ou dançam dentro do trauma. Onde dançam os melancólicos?
Os seis melancólicos dançam, observam, correm para gritar ao microfone, para se lembrar, para narrar o que pensam, o que sentem, o que se lembram, o que imaginam.
Enumeram futuros possíveis.

      – ruína 328 –
O cérebro usa o mesmo processo para lembrar o passado e imaginar o futuro. Isto chama-se Mental Time Travel, Viagem no Tempo Mental.
Se a memória não os engana, isto já correu mal antes.

Já é depois mas, ao mesmo tempo, é ainda. Lembram-se de pequenas e grandes imagens, saem como fantasmas do seu corpo. Tudo continua para sempre. Vêem-se a existir.
Será igual dançar, ficar parado, gritar ao microfone contra a música, fazer ilusionismo, lembrar, desistir, morrer? As palavras que não se ouvem são menos urgentes?

      – ruína 345 –
Seis melancólicos dançam entre as ruínas do velho mundo que ainda não acabou, ao som de velhas músicas, valsas antigas, com roupa de festa, mas não especial. Uma televisão traz os mortos de volta.
Enquanto dançam, o fantasma dos melancólicos vai ao microfone e narra: o que pensam, o que sentem, onde estavam quando Paris ruiu, Antuérpia, Berlim.

Apesar disto, através disto, enquanto isto, os melancólicos continuam, bebem de vez em quando, colam na televisão.
Os melancólicos não desistem facilmente ou desistem de corpo presente. Recitam o tempo que já passou, relembram o futuro, como se quisessem fixar, guardar o tempo, inventariá-lo. Ao mesmo tempo gastam o tempo, deitam-no fora como milho a pombos.

      – ruína 162 –
Uma imagem de neve dentro de uma sala, a cair sobre ombros, narizes, cabelos, a cair sobre o chão, uma ruína meteorológica sobre escombros de outra ordem. Imagina-se neve sobre as ruínas do que construímos sobre outras ruínas.


Seis melancólicos – serão os últimos? – continuam a continuar.
Que mais podem fazer disto tudo que lhes caiu no colo?



Fotografia © José Caldeira / TMP
Anarquivo  -
PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP

Qui 6 Dezembro 2018

PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP


O Teatro Municipal do Porto lança, mais uma vez, o PRESENTE!, um voucher que permite a todos os interessados adquirir e oferecer um produto diferenciador nesta época festiva. 

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor

Sáb 24 Novembro 2018

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor


Esta é uma história de amor “musical”:
Conheceram-se a 1 de dezembro de 2017, aquando do concerto dos britânicos Tomaga no Subpalco do Rivoli e agora, 364 dias depois – a 30 de novembro -, João Pais Filipe e Valentina Magaletti apresentam um disco a quatro mãos, "Golden Path", no mesmo local onde se conheceram.

1, 2, 3...

Sex 23 Novembro 2018

1, 2, 3...

3 Perguntas a Julieta Guimarães

Mostra Estufa

1, 2, 3...

Qui 22 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Gesta

Quintas de Leitura

Anarquivo

Qua 21 Novembro 2018

Anarquivo

Revoluções: a dança múltipla dos corpos

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Ter 20 Novembro 2018

Anarquivo

A Love Supreme

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Seg 19 Novembro 2018

Anarquivo

Romances inciertos: dançar a própria incerteza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli

Seg 12 Novembro 2018

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli


Num concerto do ciclo Understage, desta vez em coprodução com a Amplificasom, HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum: “Beheaded Totem”, dia 16 de novembro, às 23h00 no Subpalco do Teatro Rivoli. 

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre

Qua 7 Novembro 2018

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre


Entre os dias 7 e 17 de novembro, o Teatro Experimental do Porto (TEP) apresenta, na íntegra, a “Trilogia da juventude” no Teatro Campo Alegre.

1, 2, 3...

Dom 4 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Martim Pedroso

Nova Companhia

Né Barros

Qui 25 Outubro 2018

Né Barros

Entrevista

sobre "Revoluções"

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa

Ter 23 Outubro 2018

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa


Nos dias 26 e 27 de outubro, sexta-feira e sábado, o coreógrafo e bailarino, François Chaignaud, e o artista visual, Nino Laisné, apresentam em estreia nacional o espetáculo “Romances inciertos — un autre Orlando”, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa

Anarquivo

Sex 12 Outubro 2018

Anarquivo

Alguma coisa ruiu
Sobre Late Night

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qui 11 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Cláudia Dias

FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto 2018

Anarquivo

Qui 11 Outubro 2018

Anarquivo

The Waves: Sob o desenrolar contínuo do gesto

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qua 3 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Ferreira

Queer Porto

1, 2, 3...

Qui 27 Setembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a André e. Teodósio

Teatro Praga

Renata Portas

Seg 10 Setembro 2018

Renata Portas

Entrevista

sobre "Estava em casa à espera que a chuva viesse"

História(s)

Qui 6 Setembro 2018

História(s)

1ª Parte — Tiago Guedes

A temporada 2018/2019 do Teatro Municipal do Porto — Rivoli e Campo Alegre será apresentada em dois tempos e em duas agendas de programação.

Artistas Associados

Sáb 1 Setembro 2018

Artistas Associados

Temporadas 17/18 & 18/19

O coreógrafo Marco da Silva Ferreira e o encenador Jorge Andrade (mala voadora) são os primeiros artistas associados do Teatro Municipal do Porto.