Renata Portas

Entrevista

Seg 10 Setembro 2018

sobre "Estava em casa à espera que a chuva viesse"
Renata Portas • 41 anos • Encenadora


Quase um ano após a estreia de “Medeia” no Teatro Campo Alegre [outubro de 2017], regressas ao Teatro Municipal do Porto com um novo projeto, bastante diferente do anterior.

Sem dúvida. [“Estava em Casa e Es- perava que a Chuva Viesse”] É uma peça do Jean-Luc Lagarce, um autor absolutamente extraordinário, uma figura nuclear dos anos 90. Faleceu muito novo, tendo deixado um legado importantíssimo. Era editor, encenador, ator, ativista. Para este texto, gosto de pensar que ele estava em casa, a ler “A Casa da Bernarda Alba” [de Federico García Lorca], e pensou: “como é que eu posso fazer este trabalho sem as janelas entapaidas?” (risos). Mesmo não o sendo, parece-me uma releitura que faz da obra de Lorca. Um universo absolutamente feminino mas devotado ao homem. É uma coisa que tenho andado a pensar, fruto das minhas experiências: como é que podemos ser militantemente feministas mas acabamos sempre numa submissão. Como temos esta apetência para nos curvarmos à figura masculina, no melhor e no pior dos sentidos. E o texto é isto: cinco mulheres, cinco figuras definidas pelo seu papel em relação ao homem. A mãe, a avó e as irmãs, quando ele volta a casa para morrer. Ando sempre à volta da morte, mas esta é uma morte diferen-e. É uma morte que se esgotou na vida. Que bebeu a vida inteira.

É isso que pesa quando decides trabalhar determinado autor, esta sua ligação com a morte, a relação existente entre a finitude e a vida? Ou há outros elementos que te aproximam de um dado trabalho?

Em primeiro lugar, pesa muito esta relação com a escrita. Preciso de os ouvir aqui [aponta para a orelha], preciso de os ouvir e ser capaz de os ouvir várias vezes, de forma a poder levá-los a cena. Preciso de estabelecer uma relação. Como encenadora sou profundamente egoísta e preciso de sentir aquilo tudo, sentir que quero ouvir (e ver) tudo aquilo em palco.

Neste processo egoísta, solitário, como pensas o todo? Como se constrói aquilo que o ouvido ouve e a ca- beça idealiza, como se vai de dentro para fora no processo de levar a cena um texto como este?

Li este texto há muitos anos. Gosto deste processo, aliás. Deixar que os textos adormeçam em mim para voltar a resgatá-los alguns anos depois. E na minha cabeça eu sei que quero que ele se passe no palco. As pessoas devem sentir que assistir ao teatro é um ato de obscenidade maravilhosa. Nenhum de nós devia lá estar, nenhum de nós devia ouvir aquilo, tudo é profundamente íntimo. Há muitos anos, a minha encenação para este texto passava por confessionários de igreja, com as pessoas a espreitarem para algo desconhecido. Agora imagino dois lados: o lado A, representado por uma estrutura de casa, em que o público entra, não tem um sítio para sentar, existem apenas algumas camas-beliche, está tudo na mais perfeita escuridão, e ouvem uma voz, a voz da mãe. Sabemos que ela lá está mas não sabemos de onde ela nos chega; no lado B, as pessoas regressam ao palco, está tudo iluminado, as atrizes estão lá a fazer alguma coisa que não descortinamos. No fundo, um retrato do que fazemos quando esperamos alguém. Como se enche o tempo de pequenos nadas. O que é isso de apenas estar e isso bastar. É outra dimensão deste objeto que o torna noutra coisa.

Depois de tudo isto, o que se segue? Uma nova incursão por um autor já visitado por ti anteriormente, uma nova aventura com um novo texto ainda por explorar?

Tenho muita vontade em trabalhar o “Morte em Tebas”, do Jon Fosse, que é o mais anti-Fosse possível. Tenho uma relação tão forte com os clássicos que as pessoas me tratam como uma “encenadora de clássicos” e, na verdade, nunca fiz um único clássico. Tenho feito contemporâneos classicizantes, autores contemporâneos que têm um diálogo com a literatura clássica, seja o [Heiner] Müller ou o Novarina, e como não faço qualquer atualização, há este pendor clássico no próprio estilo. Nunca fiz um clássico mas, atenção, tenho muita vontade de fazer. Algo que está para breve, espero. Quero voltar ao Novarina em 2020 com o “Opereta Imaginária”, um grande festim musical. No meio disto tudo, há ovni’s que vão surgindo, nalguns casos como resposta a open calls a que vou concorrendo, porque descobri que gosto de fazer algumas coisas ligeiramente ao lado. Ir a um território diferente, onde posso brincar um bocadinho mais, como fiz recentemente, com godzillas que dançavam (risos), sendo possível ir até à cena mais trash. Estou muito tentada a fazer, no próximo ano, um objeto assim – tudo aquilo que jurei não fazer: um objeto autobiográfico, mais íntimo, com uma escrita minha. Estou disposta a quebrar uma série de regras ao mesmo tempo (risos). Será algo mais curto, uma coisa pensada com um ator muito próximo, para trabalhar o pequeno formato, que já não faço há alguns anos. É sobre um casal que é um “não-casal”, em que o personagem masculino está sempre a ir embora e a personagem feminina está a dizer para ele não partir. E quero fazer isto num quarto. Num quarto de hotel, num motel ou numa pensão nos Aliados, com recursos muito mínimos, simplesmente com uma luz de candeeiro de mesa de cabeceira. Com isto quero recuperar o meu lugar da atriz, o local onde a atriz e a dramaturga encontram a encenadora. Elas precisam de encontrar este sítio, este local. E isso irá acontecer, certamente.



Entrevista realizada a 26 de abril 2018, no Café Rivoli, por José Reis, coordenador de comunicação do TMP
Fotografia © José Caldeira / TMP


Renata Portas -
PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP

Qui 6 Dezembro 2018

PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP


O Teatro Municipal do Porto lança, mais uma vez, o PRESENTE!, um voucher que permite a todos os interessados adquirir e oferecer um produto diferenciador nesta época festiva. 

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor

Sáb 24 Novembro 2018

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor


Esta é uma história de amor “musical”:
Conheceram-se a 1 de dezembro de 2017, aquando do concerto dos britânicos Tomaga no Subpalco do Rivoli e agora, 364 dias depois – a 30 de novembro -, João Pais Filipe e Valentina Magaletti apresentam um disco a quatro mãos, "Golden Path", no mesmo local onde se conheceram.

1, 2, 3...

Sex 23 Novembro 2018

1, 2, 3...

3 Perguntas a Julieta Guimarães

Mostra Estufa

1, 2, 3...

Qui 22 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Gesta

Quintas de Leitura

Anarquivo

Qua 21 Novembro 2018

Anarquivo

Revoluções: a dança múltipla dos corpos

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Ter 20 Novembro 2018

Anarquivo

A Love Supreme

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Seg 19 Novembro 2018

Anarquivo

Romances inciertos: dançar a própria incerteza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli

Seg 12 Novembro 2018

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli


Num concerto do ciclo Understage, desta vez em coprodução com a Amplificasom, HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum: “Beheaded Totem”, dia 16 de novembro, às 23h00 no Subpalco do Teatro Rivoli. 

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre

Qua 7 Novembro 2018

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre


Entre os dias 7 e 17 de novembro, o Teatro Experimental do Porto (TEP) apresenta, na íntegra, a “Trilogia da juventude” no Teatro Campo Alegre.

1, 2, 3...

Dom 4 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Martim Pedroso

Nova Companhia

Né Barros

Qui 25 Outubro 2018

Né Barros

Entrevista

sobre "Revoluções"

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa

Ter 23 Outubro 2018

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa


Nos dias 26 e 27 de outubro, sexta-feira e sábado, o coreógrafo e bailarino, François Chaignaud, e o artista visual, Nino Laisné, apresentam em estreia nacional o espetáculo “Romances inciertos — un autre Orlando”, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa

Anarquivo

Sex 12 Outubro 2018

Anarquivo

Alguma coisa ruiu
Sobre Late Night

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qui 11 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Cláudia Dias

FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto 2018

Anarquivo

Qui 11 Outubro 2018

Anarquivo

The Waves: Sob o desenrolar contínuo do gesto

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qua 3 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Ferreira

Queer Porto

1, 2, 3...

Qui 27 Setembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a André e. Teodósio

Teatro Praga

Renata Portas

Seg 10 Setembro 2018

Renata Portas

Entrevista

sobre "Estava em casa à espera que a chuva viesse"

História(s)

Qui 6 Setembro 2018

História(s)

1ª Parte — Tiago Guedes

A temporada 2018/2019 do Teatro Municipal do Porto — Rivoli e Campo Alegre será apresentada em dois tempos e em duas agendas de programação.

Artistas Associados

Sáb 1 Setembro 2018

Artistas Associados

Temporadas 17/18 & 18/19

O coreógrafo Marco da Silva Ferreira e o encenador Jorge Andrade (mala voadora) são os primeiros artistas associados do Teatro Municipal do Porto.