Joana Von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão

Dos suicidados – o vício de humilhar a imortalidade
DDD – Festival Dias da Dança 2019

Maio

1 Qua 19.00h


CAMPO ALEGRE Palco do Auditório

7.50€ • 1.30h • >16 

bilhetes

Direção, coreografia, dramaturgia e formação Hugo Calhim Cristovão & Joana von Mayer Trindade
Interpretação Francisco Pinho e André Araújo
Teoria e filosofia Ana Mira, Celeste Natário, Cláudia Galhós, Cláudia Marisa, Cristina Aguiar, Ezequiel Santos, Mariana Pinto dos Santos, Mário Correia, Sofia Vilar e Rui Lopo
Desenho de luz e acompanhamento técnico | Estreia Cárin Geada e Hugo Calhim Cristovão
Adaptação do desenho de luz e acompanhamento Técnico Zeca Iglésias
Figurinos UN T
Desenho de cenografia Jérémy Pajeanc
Design gráfico e ilustração Eduardo Ferreira
Vídeo Andrea Azevedo
Fotografia Susana Neves
Produção e difusão Patrícia do Vale - Nuisis Zobop
Coprodução Centro Cultural Vila Flor – Guimarães, Teatro Municipal do Porto, Theatro Circo e Asta - Festival ContraDança, Câmara Municipal de Viana do Castelo
Parceiros Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Instituto de Sociologia da Universidade do Porto, Instituto de Filosofia Luso-Brasileira
Residências Forum Dança, Materiais Diversos / 23 Milhas, Circolando, Centro de Criação de Candoso, Teatro Municipal do Porto, Companhia Instável e Espaço do Tempo
Projeto financiado por República Portuguesa - Cultura | DGARTES - Direcção Geral das Artes
Prosseguindo uma pesquisa coreográfica intimamente ligada à filosofia e à literatura, “Dos Suicidados – O Vício de Humilhar a Imortalidade” ancora-se, desta vez, no poeta modernista Raul Leal.
Toma-se a sua estética do abjeto divinizado, em que a Queda já não o é, transfigurando-se em Vertigem, presente, sem primeiro passado, sem último futuro. Dois intérpretes manifestam esse movimento “puro, berrante, evidente, bestial”, uma Apolytrosis, palavra que, na origem grega, significa redenção, ou resgate. O que nesta peça se redime é um grito antes do chão, que experimenta os conceitos de blasfémia, escatologia, pecado, morte e revelação. Adicione-se Genet, Artaud e Sade como inspiradores para uma dança que é o exorcismo destes sintomas e reflexões.


Joana Von Mayer Trindade é coreógrafa, performer e professora. É mestre em Solo/ Dance/ Authorship - SODA (Universidade das Artes de Berlin). Licenciada em Psicologia (Universidade Porto), conclui o Curso de Intérpretes de Dança Contemporânea do Forum Dança e o Curso Essais do CNDC d’Angers.

Hugo Calhim Cristóvão é doutorando em Filosofia (FLUP) e Mestre em Filosofia Contemporânea, com a tese “The Dionysian, Zos vel Thanatos,  and the Zoetic Art – Sorcery of Austin Osman Spare”. É licenciado em Filosofia e em Teatro - Ramos de Interpretação e Direção de Atores (ESMAE-IPP). Juntos são cofundadores do grupo de pesquisa NuIsIs ZoBoP (2004) e criadores de: “She Will Not Live”, “VELEDA”, “ZOS (She Will Not Live)”, “Meninas”, “Nameless Natures”, "O céu é apenas um disfarce azul do inferno", “Da insaciabilidade no caso ou ao mesmo tempo um milagre”, apresentado na edição de 2017 do Festival DDD – Dias da Dança,e “Mysterium Coniunctionis”, apresentado no âmbito do ciclo “Palcos Instáveis”, em setembro de 2017.
Joana Von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão - © Susana Neves

© Susana Neves